The Connected Enterprise: pessoas, processos, tecnologias

The Connected Enterprise: Pessoas, processos, tecnologia

A comunicação da Internet das Coisas (IoT) e entre máquinas (M2M) evoca imagens de automação, inteligência artificial e produção automatizada. Essas são visões entusiasmadas do futuro, mas não as alcançaremos apenas com tecnologia.

Quando a Rockwell Automation começou a construir a própria Connected Enterprise, integrando tecnologia da informação (TI) com tecnologia das operações (TO) para melhorar o desempenho nos negócios e minimizar os riscos, sabíamos que precisaríamos equilibrar pessoas, processos e tecnologias.

Por quê? Porque enfatizar excessivamente qualquer um desses irá criar gargalos e atrasar o progresso em meio aos cinco estágios do modelo de execução da Connected Enterprise:

Estágio 1 — Avaliação: Avaliar a preparação para TI/TO não diz respeito apenas a arquiteturas de informações; ela também examina os processos como as informações migram de máquina para máquina e em toda a empresa. Isso reflete não apenas a tecnologia, mas também a cultura na organização e a disposição do pessoal em se adaptar a novos processos e ao ambiente conectado. À medida que os processos mudam, e novos dispositivos e tecnologias são implementados, o pessoal deve abraçar a iniciativa para aproveitar efetivamente os novos recursos.

Estágio 2 — Controles e redes seguros e atualizados: É onde a interseção entre pessoas, processos e tecnologia normalmente se torna algo desafiador. Você precisa de um processo que priorize onde atualizar dispositivos e a rede (ou seja, tecnologia) e de pessoas que comprem essa abordagem; alguns farão lobby por melhorias imediatas e outros poderão resistir a qualquer mudança. O Estágio 2 também força o debate das atribuições de função entre a TI e a TO em apoio à The Connected Enterprise, inclusive como os engenheiros de TI e TO irão desenvolver conjuntamente um mapa da migração e colaborar futuramente.

Estágio 3 — Capital de giro de dados definido e organizado: Os dados e as informações têm um papel central no Estágio 3. Uma profundidade e uma amplitude inigualáveis de dados contextualizados, em tempo real, são oferecidas às pessoas certas, no momento certo. Essa é uma ótima notícia para tomadores de decisão, pelo menos inicialmente; infelizmente, eles costumam se ver afundados em uma avalanche de novos dados. Isso exige um processo de escopo de quais dados a nova tecnologia obtém, de maneira que aquelas pessoas responsáveis recebem apenas as informações de que precisam, quando e como precisam.

Estágio 4 — Análise: Neste estágio, um fabricante atinge níveis mais altos de produtividade, qualidade, redução de capital e economia. Isso porque uma cultura mudada dentro da empresa reconhece a capacidade da rede de TI/TO de trazer problemas e oportunidades à superfície em tempo real; os processos são implantados para reagir a esses problemas e as decisões são tomadas com as informações certas pelos indivíduos certos.

Estágio 5 — Colaboração: A extensão da infraestrutura de TI/TO até unidades de negócios e divisões e até fornecedores e clientes — além de pessoas, processos e tecnologias — exige o mesmo nível de coordenação ocorrido internamente e possivelmente mais.

Você está trabalhando com pessoas sobre quem tem pouca ou nenhuma autoridade (mesmo que façam parte tecnicamente da empresa ou de um fornecedor), com processos que podem ser drasticamente diferentes do seu (para melhor ou pior) e com tecnologias que podem ser incompatíveis com as suas.

Enfatizar excessivamente qualquer elemento entre pessoas, processos e tecnologias pode criar os mesmos gargalos que a organização encontrou durante os primeiros estágios da execução. Ajudar os parceiros de negócios na criação de uma abordagem bem equilibrada gera novas oportunidades para todos, como compartilhar recursos na cadeia de fornecimento e acesso remoto e rápido a especialistas em toda a cadeia de fornecimento.

Assim como acontece com qualquer iniciativa de melhoria organizacional, seguir o modelo de execução The Connected Enterprise exige mudanças nas pessoas, nos processos e nas tecnologias. Você está pronto para a mudar para melhorar?

Beth Parkinson
Publicado 9 Março 2015 Por Beth Parkinson, Market Development Director, Connected Enterprise, Rockwell Automation

Contato

A Rockwell Automation e parceiros oferecem conhecimentos excepcionais para ajudar você a projetar, implementar e dar suporte ao investimento em automação.

Subscreva-se na nossa newsletter

Receba as últimas novidades sobre as tendências tecnológicas e soluções da Rockwell Automation.