Como a força de trabalho afeta a segurança e produtividade

Como a força de trabalho afeta a segurança

Uma mão de obra em crescimento é essencial para uma economia em crescimento.

A disponibilidade dos trabalhadores, especialmente dos qualificados, melhora a produtividade e reduz custos. Por sua vez, a redução de custos aprimora as vendas e o lucro. No entanto, as grandes mudanças culturais e demográficas de hoje em dia reduzem a disponibilidade da força de trabalho industrial e da manufatura no mundo inteiro.

Lidar com essas mudanças exige uma abordagem multifacetada que impacte no projeto de máquinas de forma significativa para aprimorar a segurança e produtividade do trabalhador.

  • Nos Estados Unidos, um terço dos trabalhadores tem mais de 50 anos de idade e o trabalhador qualificado médio tem 56. O país enfrentará uma escassez de aproximadamente 875.000 trabalhadores qualificados até 2020.
  • Na China, a expectativa é que a população com mais de 65 anos atinja as 210 milhões de pessoas até 2030 e representará uma quarta parte da população do país até 2050. Antecipando a iminente escassez de mão de obra, a China aboliu a política do filho único em 2015.
  • Na Europa, a estratégia Europa 2020 visa aumentar a taxa de emprego a 75 por cento para as pessoas de 20 a 64 anos. Mas para que isso aconteça, os cidadãos europeus precisarão trabalhar mais tempo e serão necessárias reformas previdenciárias para facilitar a extensão do tempo de trabalho dos trabalhadores mais velhos.
  • Na América Latina, as taxas de natalidade diminuíram em quase um terço dos níveis de 1960, reduzindo a disponibilidade de mão de obra nesses países.

Essas mudanças continuarão nas próximas décadas, afetando a produtividade das empresas e a segurança do trabalhador de maneira significativa. Enquanto isso, a expectativa é que a taxa de crescimento do PIB mundial diminua de 3,6 por cento a apenas 2,1 por cento nos próximos 50 anos. Será necessário um crescimento produtivo 80 por cento mais rápido para compensar a redução prevista.

Como a disponibilidade de trabalhadores qualificados está diminuindo globalmente, métodos como a deslocalização (offshoring) e a realocação de trabalhadores perdem eficácia. Pelo contrário, as empresas precisarão adotar uma abordagem multifacetada.

Suporte a uma força de trabalho em evolução

A força de trabalho do futuro será cada vez mais diversificada. Por exemplo, enquanto o trabalhador de um turno pode ser um homem de 32 anos, 1,75 de altura e destro, o segundo operador pode ser uma mulher de 55 anos, 1,5 de altura e canhota. Outro exemplo pode ser alguém com um problema pré-existente nas costas.

Os fabricantes e os operadores industriais devem atender à gama mais ampla de necessidades que surgirão com esta força de trabalho em evolução.

Os trabalhadores mais jovens e menos experientes se ferem com mais frequência e têm tendência a sofrer lesões mais graves. Isto pode ser devido à inexperiência e às características cognitivas e de desenvolvimento. Por outro lado, os trabalhadores mais velhos têm maior risco de sofrer lesões musculoesqueléticas e por esforço repetitivo. As lesões dos trabalhadores mais velhos, geralmente, exigem um maior tempo de recuperação e podem interromper suas carreiras e, com isso, a disponibilidade para colaborar com o empregador.

Outro motivo de preocupação é a manutenção de uma cultura forte de segurança entre as pressões sobre o aumento da produção. Os trabalhadores sob forte pressão tendem, frequentemente, a pegar atalhos. Mas uma lesão resultante de um atalho pode facilmente custar muito mais em termos de perda de produção e de receita do que o pequeno aumento na produção esperado ao pegar o atalho.

O papel do projeto de máquinas

Os fabricantes devem maximizar a produtividade de cada trabalhador contratado, enquanto ajudam a criar um lugar de trabalho desejável e preocupado pela segurança para preservar os trabalhadores e cumprir com as responsabilidades sociais. O projeto da máquina afeta estas questões significativamente.

Projetar máquinas que maximizem a segurança, produtividade e adaptabilidade a uma força de trabalho diversificada será essencial para a viabilidade a longo prazo dos fabricantes e ajudará a proteger os fabricantes de máquinas contra riscos de responsabilidade e processos.

Os fabricantes devem adotar uma filosofia de segurança da máquina que aborde o que nós denominamos as 3 Cs: aspectos culturais (de comportamento), de conformidade (procedimentos) e de capital (técnicos).

Para obter mais informações e orientação detalhada sobre como você pode lidar com uma força de trabalho em evolução, faça o download do relatório técnico: “Disponibilidade da força de trabalho: Proteger seu investimento em produtividade e segurança com uma força de trabalho global em evolução”.

Steve Ludwig
Publicado 1 Setembro 2017 Por Steve Ludwig, Commercial Programs Manager, Safety, Rockwell Automation

Contato

A Rockwell Automation e parceiros oferecem conhecimentos excepcionais para ajudar você a projetar, implementar e dar suporte ao investimento em automação.

Subscreva-se na nossa newsletter

Receba as últimas novidades sobre as tendências tecnológicas e soluções da Rockwell Automation.